"Deus não faz acepção de pessoas." (At 10:34)
EDUCADOR E PALESTRANTE
Na luta por uma educação inclusiva de alunos com transtorno do espectro autista.
Textos
Cantigas de roda tradicionais: nocivas ou inofensivas?
                Cantigas de roda tradicionais: nocivas ou inofensivas?

                                                             *Prof. Maurício Apolinário

Muito se tem criticado as cantigas folclóricas do universo infantil brasileiro, como “Atirei o pau no gato”, “O cravo brigou com a rosa”. Daí gera um embate interminável entre os que as defendem, que não vêem nenhum mal em tais “cirandas”, e os que são contrários às suas letras.
O primeiro grupo alega alegando que elas, aparentemente inofensivas, estimulam a violência e a agressividade nas crianças. Ente eles, além de pais e especialistas, encontram-se os defensores dos animais. Segundo eles, as letras de tais canções no exterior são “menos nocivas”, apregoando que “o brasileiro teria auto-estima baixa em decorrência de traumas provocados pelas músicas infantis”.
O segundo grupo defende, dizendo que, como elas fazem parte do patrimônio cultural brasileiro, deve-se levar em consideração os aspectos históricos, a cultura e os valores culturais, e que tais cantigas; afirmam que elas estimulam a fantasia e a imaginação, e, portanto, seu sentido original deve ser preservado de geração em geração.
Sem querer ser contra ou a favor, pretendo aqui fazer apenas alguns questionamentos. O segmento contrário ao conteúdo dessas antigas cantigas – entre eles pais, educadores e especialistas - toma o mesmo posicionamento:
1º) diante das novelas da Rede Globo e dos desenhos japoneses?
           2º) diante de filmes de ação disponíveis tanto na televisão quanto nas locadoras?
3º) diante de programas sensacionalistas que a TV exibe?
4º) diante de letras de músicas do aché, do funk e de tantos outros gêneros, que trazem denominações “pejorativas” e erotização da dança?
5º) diante de literatura como a coleção “Harry Potter”?
6º) diante do videogame normalmente utilizado pelas crianças e adolescentes?
Provavelmente, esse mesmo grupo que tanto ataca as cantigas de roda do folclore brasileiro não tem atentado para isso. Para essas pessoas, toda a programação da Globo é maravilhosa; para elas, não há nada de mal em seus filhos cantarem e dançarem determinados tipos musicais. Não estou aqui para defender esse ou aquele grupo, tomar partido de coisa alguma. Quero apenas que se faça uma reflexão sobre os seis pontos supracitados.

* Prof. Maurício Apolinário
   é autor do livro “A arte da guerra para professores”
Maurício Apolinário
Enviado por Maurício Apolinário em 08/08/2007
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
"Discriminação e exclusão velada de alunos com transtornos mentais não podem existir em nossas escolas." (Prof. Maurício Apolinário)
..Simplesmente namorada Maurício Apolinário R$ 12,90
.A Arte da Guerra para Professores - 1ª ed. Maurício Apolinário R$ 15,90
.Bolinha, meu coelho Maurício Apolinário R$ 15,00
.Limites na sala de aula: emoções, atitudes e... Maurício Apolinário R$ 17,90
.Um prato de comida Maurício Apolinário R$ 15,00
A Casinha de Clarinha Onã Silva R$ 21,00
A derrota de Penina Onã Silva R$ 31,50
A Literatura das Mulheres da Floresta Autores diversos R$ 30,00
A Quadradinha de Gude Onã Silva R$ 10,90
A quadradinha de gude - 2ª ed. ampliada Onã Silva R$ 27,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
https://www.facebook.com/pages/Cuidarte-Livros-e-artigos-liter%C3%A1rios/334396023412336?ref=hl